Top

O que fazer no Pantanal

Considerado o maior e mais rico bioma inundado do mundo, o Pantanal te dá as boas-vindas não importa o dia! Faça chuva ou faça sol, o Pantanal está pronto para te receber! Mas você sabe o que fazer no Pantanal? A resposta é simples: tudo!

Então já esvazie o cartão de memória de sua câmera e esteja preparado para embarcar nos longos rios pantaneiros, montar um cavalo e cair no mundo das trilhas. Ah, e também esteja ansioso para acampar em terra selvagem e conhecer o paraíso da fauna e flora que somente nosso Pantanal proporciona.

O Pantanal abriga uma enorme cultura local, oferece passeios únicos para todas as idades e gostos, além de abrigar diversos tipos de plantas, peixes e mais de cem mil espécies de pássaros. Ou seja, não tem desculpa para não dar uma passada por lá!

Agora, se você tem dúvidas sobre o que fazer no Pantanal, acompanhe, neste artigo, os melhores passeios para se fazer no coração d’água nacional.

Onde fica o Pantanal?

Classificado Patrimônio Natural Mundial pela UNESCO, o Pantanal conta com 250 mil quilômetros de extensão, sendo 150 mil quilômetros presentes no Brasil.

Logo, temos 150 mil quilômetros de terra e água para conhecer!

O restante do bioma, por sua vez, divide-se no Paraguai e na Bolívia.

Já no Brasil, boa parte do Pantanal está no Mato Grosso do Sul, enquanto o Mato Grosso abriga as regiões pantaneiras remanescentes. Ou seja, você pode conhecer o Pantanal através do Mato Grosso ou Mato Grosso do Sul!

Conheça outro paraíso ao lado do Pantanal: Nobres

Quando ir ao Pantanal: melhor época

Na verdade, não há um consenso de quando ir ao Pantanal, uma vez que há o que fazer o ano inteiro.

No entanto, a alta temporada ocorre na época de seca, de abril a setembro. Nesses meses, fica muito mais fácil se locomover.

A época de seca também é a que possui o clima mais ameno durante o dia, com temperaturas mais frias após o pôr do sol.

Porém, embora os graus caiam, não se engane: não fica realmente frio; dificilmente os termômetros marcam menos de 16ºC. Bem tranquilo, né? Apesar disso, carregar um casaco fino na mochila durante a tarde é uma boa segurança.

Já a época de cheia é extremamente quente (outubro a março), embora as águas aliviem o calor. E são essas mesmas águas que tornam muitas estradas intransitáveis, dando espaço para um aquário gigante.

Mas Mala Rosa, qual a melhor época para ir ao Pantanal?

Depende da sua preferência climática e do que quer fazer no Pantanal.

Para quem quer ver muitos animais, inclusive onças, a melhor época é a seca.

Por outro lado, quem quer substituir as praias por outra infinidade de água, passear de canoa e ver muitos peixes, é aconselhado a época de cheia.

Apesar de tudo, seja na época de chuvas ou não, o Pantanal tem encantos que somente ele pode te dar.

O que fazer no Pantanal

Desde montar a cavalo e sair pelas matas a visitar museus históricos, sobrevoar o verde e águas do Pantanal a fotografar onça-pintada: você pode fazer tudo!

O Pantanal é um dos paraísos do ecoturismo, com diversas atividades em terra, água e até mesmo no ar! Incrível, né? É praticamente um convite. E embora o Pantanal seja considerado o local das aventuras radicais e da natureza selvagem, não tem apenas pura adrenalina por lá.

Por exemplo, você pode visitar o Museu da História do Pantanal (Corumbá, Mato Grosso do Sul), que abriga toda a história, cultura e desenvolvimento do Pantanal. É uma visita enriquecedora!

Com um guia muito bem capacitado, você irá ver, ouvir e sentir as mudanças climáticas do Pantanal em um único lugar. Até mesmo ouvir a chuva, o canto das aves e os rugidos dos animais é possível!

Ou seja, você não precisa ir em época de cheia para ouvir as gotas d’água e sentir o cheirinho de terra molhada. Da mesma forma, você não precisa ir em época de seca para ver uma onça cruzando a estrada. Mas embora a imagem seja transmitida de forma bem real, nada se compara a ver ao vivo e em cores, né?

Ah, e não podemos esquecer da área destinada para a arte pantaneira. Há muitos quadros, todos extremamente realistas, colocando em pinceladas as riquezas da fauna e flora local. É neste espaço também em que a equipe do museu enfatiza fortemente a preservação do Pantanal.

O museu está aberto de terça a sexta, das 13h até 18h. Visita gratuita. Vale a pena conferir!

Conheça Bonito, outro destino ecoturista do Mato Grosso do Sul.

O que fazer no Pantanal em época de cheia

Os moradores das cidades próximas ao Pantanal brincam falando que por lá só existem duas estações: verão e inverno, ou período de chuva e sol!

Mas, inesperadamente, o verão é marcado pelas chuvas fortes e constantes, enquanto o inverno é seco, só que com sol. Diferente, né?

Geralmente, assimilamos verão com praia e calor. Em outras palavras: água e sol. Se formos pensar por esse lado, o Pantanal está dentro do significado que damos para o verão.

Então, a questão é: o que fazer no Pantanal no verão, quando a inundação é enorme?

Em outras palavras: o que fazer no Pantanal em época de cheia?

A resposta é simples: tudo o que as águas permitem! Você pode rodar todo o lugar de canoa, pescar, ver uma infinidade de peixes, aproveitar o canto das aves enquanto descansa à beira das lagoas… Muitas coisas, e uma mais fantástica do que a outra.

Sendo assim, veja o que fazer no Pantanal em época de cheia logo abaixo.

Pantanal alagado.

Pantanal mato-grossense inundado. Fran Barros

Canoagem

Se você busca um passeio calmo, silencioso e agradável, certamente a canoagem é a melhor opção! Escolha uma canoa, coloque o colete salva-vidas e se conecte com a natureza.

Com duração de 1h30 até 3h, você vai navegar durante bons quilômetros nas lagoas do Pantanal. Mantenha os ouvidos bem atentos, porque o canto das aves durante o percurso é simplesmente incrível! O som parece estar bem distante, mas logo você avistará grupos de pássaros sobrevoando metros acima de sua cabeça.

Não fique com pressa durante o passeio, apenas reme devagar, admirando a paisagem e procurando por espécies de peixes que nunca viu. Certamente, é o que mais encontrará.

Aliás, mesmo remando com calma ou deixando o vento levar, nem todo o tempo do mundo seria capaz de te fazer captar tudo o que a vista fornece. São muitos tipos de vegetação submersa e rios com as mais variadas origens e histórias. Na verdade, é bem difícil prestar atenção em uma só coisa.

Este é um bom momento para você respirar fundo e esquecer dos problemas.

Ah, não é necessário ter experiência, ok? A atividade é guiada do início ao fim por uma pessoa altamente qualificada, responsável por nortear o caminho e orientar. É bem tranquilo, não se preocupe.

O passeio custa R$70 por pessoa.

O que fazer no Pantanal: canoagem.

Canoagem no Pantanal. Paula Rocha

Passeio de Chalana

Se você quer passar o dia inteiro flutuando sobre as águas pantaneiras, relaxando e aproveitando uma paisagem maravilhosa, o passeio de chalana é o ideal.

Aqui, você pode escolher entre passar três horas navegando, ou o dia inteiro.

Mas cuidado: se não sabe se passa mal ou não com barcos, é melhor escolher o passeio de três horas.

A chalana abriga até trinta pessoas e tem mesas espalhadas nos dois andares. Além disso, há bancos para pesca em algumas extremidades, afastados da agitação, para aqueles que querem desfrutar de um momento de calmaria com os peixes.

Embora a atividade já esteja paga, o comer e beber são custos à parte, lembre-se disso. Entretanto, o valor é justo, saindo muitos pratos regionais e bem servidos a R$30.

De antemão, prepare as câmeras e esteja com os olhos bem abertos, pois não é brincadeira quando dizem que o lar dos jacarés é o “mar” pantaneiro. No meio do trajeto, é possível ver jacarés enormes para lá e para cá, às vezes só com os olhos na superfície. E, olha, te pega totalmente de surpresa.

Além deles, também é possível avistar bandos de gaviões. Quando estão voando baixo, os guias responsáveis pelo passeio os alimentam com peixes, mas não vá querer imitar! Faça apenas se tiver permissão.

A embarcação não trafega no meio do nada: dos lados esquerdo e direito há vegetação, plantas submersas e aves descansando na grama, o que é um agrado para nossos sentidos!

O passeio custa em média R$80 por pessoa.

O que fazer no Pantanal: passeio de chalana.

Passeio de 3h de chalana em embarcação simples. Sandra Campos

Pesca Esportiva

Considerado um paraíso para os pescadores, o Pantanal é um destino muito procurado pelos amantes de pescaria. E pescar no Pantanal pode se tornar uma experiência incrível se você ficar hospedado em um barco-hotel.

Há muitos barcos-hotéis que transitam pelas águas. E inegavelmente, são verdadeiros flutuantes de luxo, com quartos e banheiros privativos, ar-condicionado e até frigobar! Tudo para garantir o máximo conforto durante as pescarias.

Certamente, a pesca esportiva é uma atividade que não pode faltar no seu roteiro de viagem, mesmo que não seja seu hobby favorito. Afinal, só de ver dezenas de peixe ao redor já é algo incomum.

Mas atenção: existe uma regra importantíssima nesta atividade: pesque e solte. Não vá tentar levar os peixinhos, viu?

Se você não for um amante da pesca e não entender nada dos equipamentos necessários, não se preocupe! Pois na embarcação tem pessoas capacitadas que fornecem todo o material para uma boa pescaria.

Por outro lado, se você se perguntou “eu preciso alugar um barco-hotel para conseguir pescar?!”, a resposta é simples: não!

Uma vez que os próprios moradores locais podem te levar para pescar em pequenas embarcações, cobrando um precinho bem camarada, não tem desculpa para não sair atrás de piranhas e pintados por aí, voltando só quando o sol se pôr.

Assim, você com certeza conhecerá ainda mais o Pantanal, pois quem melhor do que os próprios moradores para te mostrar o lugar?

Atenção: de novembro a fevereiro, a pesca é proibida por causa da piracema (época de migração e reprodução de peixes)

Se escolher um barco-hotel, separe cerca de R$500 para a diária com tudo incluso.

O que fazer no Pantanal: pesca esportiva

Pesca em embarcação simples. Sol e Vida Pantanal

Cavalgada

Coloque um chapéu, amarre um cinto na cintura, escolha uma blusa de manga longa, calce as botas e suba num cavalo. Assim, você está pronto para cruzar o Pantanal inteiro.

Uma vez que o cavalo pantaneiro é o único animal que consegue pastar com a vegetação sob a água, ele permanece em qualquer região do Pantanal durante todo o ano.

Todavia, para passeio, aconselho ir na transição da época de cheia para a seca.

Em um passeio com duração de 1h30, podendo se estender até 3h, viaje bons quilômetros admirando as belíssimas fauna e flora locais.

À primeira vista, muitas pessoas desistem da montaria antes mesmo de saber de mais detalhes por medo. Afinal, andar a cavalo não é uma coisa tão comum, né? Principalmente se moramos em cidade grande.

Mas, na verdade, não precisa ter receio. Os animais são extremamente mansos e treinados, então não atacariam os visitantes.

Este passeio é bem típico e nativo, até mesmo clássico. Afinal, é em cima de um cavalo que os moradores locais, principalmente os que vieram de famílias que estão por mais tempo na região, trafegam pelo Pantanal.

É uma atividade maravilhosa de contemplação, porta de entrada para se aproximar de inúmeros outros animais pantaneiros. Ah, é aqui que você encontrará o gado! A cavalo é a maneira mais fácil de chegar até ele.

E também é válido informar que você pode fazer acampamento sentinela, se a opção estiver disponível. Já pensou acampar no Pantanal, em meio ao verde, perto da água, embaixo do céu limpo?

O valor varia de R$70 a R$110, dependendo da duração.

O que fazer no Pantanal: cavalgada.

Cavalgada em lugar inundado. Edinho Acunha

Voos Panorâmicos

Antes de tudo, saiba que voar pelo Pantanal é uma experiência surreal.

Na verdade, este passeio pode ser feito em qualquer época do ano, mas ganha um diferencial se feito durante a época de cheia.

Logo após o desembarque em Campo Grande, você pode dar início a este passeio, seguindo para Aquidauana em transporte privativo. Em seguida, seguirá em uma aeronave bi motor por toda a cidade, sobrevoando o Pantanal e desembarcando em sua hospedagem. Bem legal, né? É como um tratamento vip.

A aeronave suporta até cinco pessoas, cada uma carregando, no máximo, 16 kg de bagagem.

O voo dura aproximadamente trinta minutos. E embora pareça pouco para conhecer o Pantanal, garanto que não é! Uma vez no alto, você conhece áreas impossíveis de entrar por causas naturais, encontra bichinhos em montes correndo para lá e para cá, vê bandos de aves voando juntas… É lindo!

E não podemos esquecer que é neste passeio que temos a total certeza que sim, o Pantanal é realmente a maior e mais rica planície alagada do mundo!

Por outro lado, também existe a opção de voar diretamente de Campo Grande, aumentando a duração para 1h. Neste caso, o valor aumenta.

Este é o passeio mais caro, variando de R$400 até R$950 dependendo do número de pessoas.

O que fazer no Pantanal em época de seca

A época de seca no Pantanal marca também a alta temporada do lugar. Isso porque a maioria das pessoas se interessam pelo local por causa dos animais, e o melhor momento para vê-los é quando a água está baixa. Ou seja: na época da seca!

Durante as chuvas, a maioria das espécies de animais migram para lugares altos, longe da água. Eles ficam bem escondidos, e é realmente difícil encontrá-los. Todavia, não é impossível.

O gado, por exemplo, precisa ser levado para outro lugar semanas antes da chuva.

Por outro lado, quando a água está baixa, os caminhos voltam a ser puramente de terra, e toda a fauna retorna.

Consequentemente, os passeios se tornam mais diversificados, embora os feitos em época de cheia sejam igualmente maravilhosos.

Mas, pelos caminhos estarem liberados em sua maioria, as chances de atravessar o Pantanal se tornam muito maiores. Isto é, as chances de trilhas a pé, jipe, automóvel comum, cavalo e até mesmo bicicleta são altas. Até mesmo acampar é possível!

Então, se você gosta de uma boa aventura, veja abaixo o que fazer no Pantanal em época de seca.

Pantanal em época de seca

Trilha do Pantanal em época de seca. Fran Barros

Transpantaneira

A Estrada Transpantaneira é o ponto turístico mais famoso do Pantanal!

Inicialmente, a Transpantaneira conectaria o Mato Grosso com o Mato Grosso do Sul, mas o custo foi ficando tão grande que os organizadores desistiram de finalizá-la. Por isso, ela ficou com 147 km de extensão, pouquíssimo asfaltada e inacabada. Mas ainda é bastante coisa e enorme para fazer trilha.

A estrada vai de Poconé até Porto Jofre, com apenas 2 km asfaltados.

Porém, embora a maior parte seja de terra, não se preocupe: você não corre risco de atolar se estiver de carro. Aliás, você pode cruzá-la de automóvel ou fazer uma boa caminhada.

No meu caso, aluguei um Sandero 1.0 e fiz boa parte da Transpantaneira com ele. E olha, não tive problema nenhum.

Ela tem 126 pontes, sendo pouquíssimas de concreto e muitas intransitáveis devido ao apodrecimento da madeira no período das chuvas. Entretanto, quando isso acontece, os moradores locais sinalizam desvios bem certeiros, além de consertarem as pontes.

Ao longo do percurso é possível encontrar uma série de animais: capivaras, lagartos, cachorro-do-mato, jacaré e até mesmo uma boiada enfurecida! Então, dirija devagar e com atenção se estiver de carro, principalmente de noite.

Vale informar que todos os animais que você encontrar são protegidos e monitorados, garantindo a preservação e conservação pantaneira.

Se você está indo conhecer a Transpantaneira logo após a época de cheia, a partir do km 60 os trechos ainda estão alagados, não sendo aconselhado tentar ir além. Se quiser ir até Porto Jofre, o trajeto é de barco.

Tire muitas fotos e aproveite as belíssimas paisagens!

Transpantaneira.

Início da Transpantaneira. Paula Rocha

Focagem Noturna

Se você quer chegar no ápice da adrenalina e aventura, a focagem noturna precisa estar na sua lista de o que fazer no Pantanal.

Com duração de 2h, você sairá em busca dos animais que são difíceis de ver durante o dia, pois se escondem ao sentir presença humana.

Dentro de um jipe, percorra trilhas com lanterna em mãos e o coração pulando pela boca em ansiedade. Mas é uma ansiedade boa!

É o melhor passeio caso queira ver jacarés e seus olhos brilhando no escuro. Embora pareça assustador, a vontade de ver a real natureza selvagem fala mais alto do que o medo. Afinal, são jacarés com mais de dois metros, com os corpos completamente à mostra, diferente de quando os vemos entre os matos e dentro das águas.

Como a focagem é feita em grupo, é melhor obedecer ao guia e tentar não fazer barulho, pois os animais podem fugir.

Também é possível encontrar tamanduás enormes, jaguatiricas e muitas capivaras. Ah, e uma quantidade enorme de corujas nos topos das árvores, observando atentamente cada movimento.

Certamente, é um passeio inesquecível. Passa bem rápido, nem parece que foram 2h, de tão interessante e curioso que é.

Na trilha há determinadas construções altas, nas quais é preciso entrar para observar com calma os animais.

Não esqueça o repelente e use roupas que cubram todo o corpo para evitar pernilongos.

Custo de R$80 por pessoa.

Safári Fotográfico

Diferente da focagem noturna, o safári fotográfico é feito durante, em carros 4×4 com bancos ao ar livre.

O principal alvo aqui são as aves raras, que ficam em locais sem fácil acesso. Ou seja, não é permitido chegar tão perto, até porque é uma segurança para evitar pessoas mal intencionadas.

O passeio ou começa pela manhã e dura três horas, ou inicia no pôr do sol, oferecendo vistas maravilhosas.

Pelos campos, você verá muitos veados, jacarés, garças e, se der sorte, onças — uma das principais atrações da atividade, por isso é tão procurada.

É nesta atração que você também encontrará legiões de tuiuiús, todos descansando no verde dos cerrados e campos.

Durante o percurso, o guia fala sobre as espécies de animais, tipos de árvores, flores e tudo o que é preciso para sair do Pantanal sabendo de tudo sobre esse paraíso. Mas não se preocupe, não é uma aula tediosa, ok? Muito pelo contrário! Os guias são super receptivos e carismáticos, conseguindo toda sua atenção.

De antemão, já separe uma boa memória dos celulares e câmeras, pois há muitos momentos de paradas para fazer boas fotos. Você pode descer do carro, mas se aproximar até onde o guia permitir.

Em segundo lugar, não se esqueça do repelente e protetor solar, porque os mosquitos não dão paz e o sol não se esconde um minuto.

Por fim, apenas aproveite a boa viagem pelo belíssimo Pantanal! Porém, cuidado: altas chances de se apaixonar pela paisagem e de se deparar com um jacaré perdido por aí hahaha

Separe cerca de R$80 para realizar este passeio.

Safári fotográfico: jacaré.

Jacaré no meio da estrada do passeio. Paula Rocha

O que fazer no Pantanal com criança

Se no Pantanal é um destino com passeios para todos os gostos, também é para todas as idades.

Se você tem uma criança com sangue viajante e aventureiro correndo pelas veias, o Pantanal será, certamente, um paraíso para ela!

Em primeiro lugar, tenha em mente que não há riscos nos passeios, uma vez que todos são guiados por pessoas altamente qualificadas e possuem total segurança.

Por exemplo, você nunca se aproximará de um animal mais do que o guia permitir, nem irá para áreas perigosas, como lagoas com profundidade desconhecida.

No entanto, a focagem noturna não é tão apropriada para crianças de até 6 anos, já que a temperatura tende a cair pela noite e o corpinho delas pode não estar habituado. Claro, isso varia de pessoa para pessoa.

Porém, de resto, não se preocupe tanto, mas é importante sempre confirmar com os responsáveis dos passeios se os pequeninos realmente podem ir. Uma vez que cada agência possui as próprias regras, é uma segurança tirar as dúvidas.

Mas, em geral, as paisagens pantaneiras não são privadas das crianças. Muito pelo contrário: elas são as que mais se apaixonam!

Até porque não é todo dia que elas encontram tantos pássaros e animais por aí, a não ser em livros ilustrados e televisão. Só que os desenhos nem se comparam à realidade, né?

Além do contato com os bichinhos, as crianças vão sair do Pantanal totalmente conscientes da importância da natureza. Afinal, elas viverão a real preservação e serão as melhores amigas dos guias turísticos.

Enfim, é ou não uma boa chance de fazer as pequeninas felizes?

Onde ficar no Pantanal

Se você está buscando um lugar confortável, rústico e com um bom preço, vá à Pousada Nativos. Caso queira mais contato com a natureza, procure a Pousada Piuval. Agora, se você quer ficar mais próximo da cidade, a melhor opção é o Pantanal Hotel.

Envie um comentário